Carreira e EmpregoQueenstown

Preciso trabalhar e agora? | Como arrumei emprego na Nova Zelândia

Por Natália Gomes

Histórias em Destaque
  • Aonde ir? O que fazer? Preciso trabalhar! Socorro...
  • Como foi que encontrei meu primeiro emprego
  • Qual foi meu emprego
  • Como arrumei meu currículo
  • Que conselhos dar para quem vai procurar emprego em Queenstown

Heys Guys! Como vocês estão? Que tal falar sobre como encontrei emprego fazendo Intercâmbio aqui em Queenstown.

É fácil ou difícil arrumar um emprego sendo intercambista na Nova Zelândia?

Já contei em outros artigos que escrevi aqui para o Brasil News, temas relacionados a diferentes experiências aqui na Nova Zelândia, que vivo com meu namorado Sameyr e divido tudo aqui com vocês e no nosso Instagram o @tevejolafora.

Sendo assim, não deixe de ir lá conferir os demais artigos e nossas outras aventuras sendo imigrantes aqui na Nova Zelândia.

Foto: Céus azul e montanhas, Natália está nas costas de Sameyr, sempre com muita diversão. Já fizemos outros artigos aqui no Brasil News compartilhando nossas experiências, aventuras e muitas informações sobre Queenstown e a Nova Zelândia, não deixe de ir lá conferir, eles estão bem legais e informativos, repleto de curiosidades, diz Natália.

Aonde ir? O que fazer? Preciso trabalhar! Socorro…

Assim que cheguei à Nova Zelândia já sabia que tinha que encontrar um emprego. Na verdade desde antes de chegar, afinal quem não precisa trabalhar não é mesmo?(Risos). Porém o grande problema era como encontrar um emprego com pouco inglês? O que eu precisaria fazer e onde deveria ir?

Brasil

No Brasil a gente sabe o que tem que fazer aonde ir, como organizar nosso currículo e até mesmo não ter problemas para conversar com as pessoas, já que temos uma conversa em nossa língua e não em uma que estamos aprendendo.

Nova Zelândia

Aqui na Nova Zelândia como no Brasil, existem formas um tanto quanto similares de achar oportunidades de emprego e como moro em Queenstown, que é uma cidade turística, sempre há oportunidades, o que faz ter diferentes tipos de empregos, nas mais diferentes áreas também.

Lembrando que não tenho informações de como será após o COVID-19 
Uma das principais preocupações era encontrar um emprego. Mas graças a Deus deu tudo certo, encontrei um serviço e puder aproveitar com mais tranquilidade esta linda Queenstown. Foto: Natália de braços abertos as oportunidades.

Em Queenstown existe uma revista semanal, a Lakes Weekly Bulletin, em que os estabelecimentos divulgam as suas vagas para a cidade e assim a informação das oportunidades chegam até as pessoas de forma geral, moradores, estudantes, estrangeiros, todos que queiram encontrar algum emprego usam a revista que tem a versão física e online.

Assim consegue descobrir aonde ir para se apresentar, deixar seu currículo e fazer seu teste para a vaga.

Existem outras formas, como o site Trade me, que oferece de tudo lá, desde vagas de emprego, aluguéis de casas, vendas e muitas outras coisas, que é a nível nacional, você encontra de tudo.

Como foi que encontrei meu emprego?

Quando cheguei, já sabia desta revista, que a própria escola (já falei mais da minha escola que estudei aqui em Queenstown no artigo anterior) fornece para os alunos, para poder ajuda-los a descobrirem as oportunidades de vagas e os estabelecimentos deixam a revista com eles também, então não é algo difícil de encontrar.

Eu estava com medo de encontrar um emprego, é normal quem não ficaria? Porém o medo foi o gás que eu precisava para conseguir ultrapassar está barreira e encontrar um trabalho e fazer tudo certo. Foto: Natália perto do lago.

Então, na primeira semana que estava aqui, me organizei em casa

Leia também: O artigo que relatei como são as casas aqui na Nova Zelândia, clique aqui e não se esqueça de deixar um comentário falando o que acha sobre está dinâmica de casa compartilhada.

E na segunda semana já peguei a revista e fui ver as oportunidades que tinham e comecei a enviar meu currículo via e-mail para as empresas já que não tinha um inglês bom para ir ainda falar com as pessoas logo de cara, me candidatando para as oportunidades.

O legal é que as pessoas usam muito o e-mail e dificilmente não te respondem.
Como cheguei aqui logo após a temporada de inverno havia muitas pessoas que já haviam ido embora e tinha por consequência varias oportunidades de emprego.

Mandei e-mail para todos que pude e para minha surpresa recebi muitos e-mails de resposta positivas me perguntando mais informações, se tinha habilitação, meu nível de inglês para comunicação e meu level na escola que eu me encontrava.

“(…) uma dica valiosa, eu ainda não tenho habilitação e isso é algo que me fez perder várias oportunidades de emprego. Então, se você pretende fazer intercâmbio aqui ou em outros lugares, será de grande ajuda se tiver habilitação”.Natália

Qual foi meu emprego?

Contei no artigo que fiz aqui, falando como foi meu reencontro com meu namorado, o Sameyr, após muitos meses longe até minha vinda para Nova Zelândia, sobre ele ter morado em um hostel por seis meses até minha chegada. Na época que chegue,i o mesmo hostel estava à procura de uma pessoa para trabalhar com eles part time como housekeeping.

Meu primeiro emprego em Queenstown, por muita coincidência foi no Pinewood, o hostel que o Sameyr ficou morando lá por alguns meses. Foto: Sameyr e Natália juntos.

Tão logo que encaminhei um e-mail para eles, fui convidada para fazer um teste com a supervisora e aceitei. Toda a conversa havia sido por e-mail, sem nenhum contato pessoalmente ainda, o teste seria o primeiro.

*housekeeping: É um funcionário encarregado para fazer o serviço de limpeza do hostel.

Fui até o hostel, fiz o teste, arrumei uma cama no padrão que eles fazem e ela gostou do serviço e dois dias depois me chamou para trabalhar.

Eu disse a ela que não tinha um inglês bom, porém ela falou que não seria um problema, apenas que existiam outras pessoas para entrevistar e que responderia e graças a Deus ela foi positiva. Assim, por ironia ou não do destino, comecei a trabalhar na antiga “casa” do Sameyr, onde ele viveu por meses, como housekeeping.

Fiquei lá por alguns meses até sair e ir para minha outra oportunidade. (falaremos mais para frente em outro artigo sobre meus outros empregos que já tive aqui na Nova Zelândia)

Como arrumei meu currículo?

A SLEC, escola onde estudei aqui em Queenstown, oferecia uma aula extracurricular às quartas-feiras a tarde para ensinar como organizar o nosso currículo e as infamações necessárias para o empregador.

Brasil

No Brasil, estamos acostumados a enviar por muitas vezes currículos grandes, cheios de informações sobre nossas qualificações, experiências e até mesmo certificados para provar que temos conhecimento em determinadas áreas.

Nova Zelândia

Aqui eles não necessitam de tantas informações (claro, depende muito da área que você vai exercer e a qual oportunidade vai se candidatar isso não é uma regra, pois para vagas mais especificas é necessário ter conhecimento específicos.

Porém para áreas relacionadas à hospitality, áreas que são voltadas a serviços de hotel, limpeza, organização, recepção entre outras coisas, que é o foco de Queenstown por ser uma cidade turística, não é necessário tantas informações) os currículos são mais simples e diretos, com informações necessárias de fato.

“Aqui os empregadores dão muita importância para a experiência e está é uma informação muito relevante para ter chances de conseguir a vaga.”

A revista onde são divulgadas as vagas de empego de Queenstown.

O problema é que não tinha nenhuma experiência aqui da Nova Zelândia, então a escola deixa colocar os dados da coordenadora acadêmica como referência, para mostrar que você é um estudante que acaba de chegar e está procurando uma oportunidade de emprego.

E ai você coloca a referência da escola e uma do Brasil, para caso eles queiram entrar em contato para saber sobre seu serviço ou ter com quem falar para tirar alguma dúvida (dificilmente isso acontece logo no primeiro emprego, porém é necessário colocar).

Que conselhos dar para quem vai procurar um emprego em Queenstown?

Se você está se preparando para fazer seu intercâmbio em Queenstown, procurar um emprego, não deixe de pegar a revista Lakes Weekly Bulletin, organizar seu currículo de forma mais direta e clara, mostrando para o empregador o que você sabe fazer de forma bem sucinta, não crie longos currículos, pois eles não apreciam esta prática.

Coloque referência de outros empregadores se você tiver aqui da Nova Zelândia e pelo menos um do Brasil. Se for um currículo novo, onde você não tenha tanta experiência, não deixe de colocar pelo menos um contato que você tenha da cidade.

O principal conselho para quem quer e precisa de um emprego logo quando chega em Queenstown, é já conhecer as vagas que estão sendo ofertadas, fazer um bom currículo e principalmente não perder tempo.

Se estiver fazendo intercâmbio, pergunte para seu professor e colegas de classe, se não conhecem alguma oportunidade que talvez se encaixe com seu perfil, isso pode ajudar.

Existem grupos de empregos no Facebook, onde pessoas diariamente postam oportunidades de empregos e sites específicos relacionados à Jobs.

E o principal, não tenha medo de enviar e-mails, entregar currículos pessoalmente. Pode ser que já seja convidado ali mesmo a fazer um teste.

Nos próximos artigos vamos falar mais sobre a experiência de fazer intercambio e trabalhar, entre tantas outras coisas legais relacionadas à Nova Zelândia.

Não deixe de ver os artigos que já foram postados e não se esqueça de acompanhar os próximos que ainda virão e claro.

Compartilhe conosco o que achou do artigo, se tem curiosidade sobre algo e o quem vem achando das histórias que estamos dividindo com vocês.

“O principal conselho para quem precisa de um emprego é conhecer as vagas, fazer um bom currículo e não perder tempo. Assim que chegar,  já envie e-mails, vá até os locais, mesmo que não gostar ou não der certo. Você saberá como é o sistema e poderá se adaptar melhor, conseguindo um emprego relativamente rápido.” 

Não se esqueça de ir lá conferir nosso Instagram o @tevejolafora para conferir mais informações da Nova Zelândia.

Então, aguenta aí que vem muitos outros artigos cheios de aventuras, informações e curiosidades.

Até lá, deem uma olhada nos outros artigos e o nosso instagram o @tevejolafora que contamos tudo sobre o que achamos de morar aqui em Queenstown.

E ai, te vejo lá fora? Estamos tão ansiosos para que sim e tão breve quanto possível, fiquem com Deus.

Quem sou

Prazer meu nome é Natália Gomes, sou brasileira de Carapicuíba, São
Paulo capital. Sou Arquiteta Urbanista e Designer de Interiores.
Sou uma sonhadora que gosta de se aventurar pelo mundo a fora. Proprietária em conjunto com Sameyr Assaf, meu namorado, do Projeto Te vejo lá fora, no Instagram @tevejolafora e Facebook @tevejolafora. Convido você a nos acompanhar pelo mundo a fora.
E aí, @tevejolafora ?

Mostrar mais

Artigos relacionados

6 Comentários

    1. Olá Eduardo, tudo bem?
      Muito obrigada por sua leitura e seu tempo. Obrigada pelo feedback. Estamos ma torcida para que tudo fique bem, tão breve quanto possível. E que você possa vir logo. Fique com Deus.
      Atenciosamente,
      Natália Gomes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo