Queenstown

Minha casa compartilhada, Como se vive na Nova Zelândia

Por Natália Gomes

Histórias em Destaque
  • Mas afinal, como é essa história de casa compartilhada? Calma que vou contar
  • O que é o Hostel?
  • Nossa primeira casa
  • Oh, não! Casa nova pela segunda vez
  • O caos no mundo... E por consequência, mais uma casa!

Hey Guys! Como vocês estão? Vocês sabem como funcionam as casas na Nova Zelândia? Como grande parte da população, sendo imigrante ou não, opta por morar assim, dividindo sua casa com outras pessoas que nunca virão antes. Não! Então vem cá que vou contar como funciona e como é a nossa experiência.

Nós já falamos em outros artigos, como eu e o Sameyr meu namorado nos conhecemos, como foi à decisão de vir para Nova Zelândia, sobre nossa experiência de voar do Brasil até Queenstown e se não viu, corre lá para ver, pois tem muitas histórias legais que já aconteceram e dicas a partir das nossas experiências, então não deixem de ir lá conferir, deixar um comentário sobre o que achou e contar um pouco das suas experiências.

Nosso primeiro Natal juntos e em Queenstown – Dezembro de 2019

Mas afinal, como é essa história de casa compartilhada? Calma que vou contar.

Como já falamos anteriormente, Sameyr já havia vindo há alguns anos atrás para Nova Zelândia e desta vez ele veio primeiro que eu para Queenstown, então ele já sabia como funcionava, porém eu nunca havia tido este tipo de experiência com casas compartilhadas antes de vir para Nova Zelândia.

No Brasil nos estamos acostumados com as algumas situações corriqueiras, como viver com nossa família, viver com algum amigo ou viver sozinho, esse é o formato mais comum que encontramos no Brasil, porém na Nova Zelândia existem outras formas além destas, como a de ter casas inteiras divididas com outras pessoas que nunca se viram antes. Isso mesmo casas com pessoas de diferentes lugares e nacionalidades, vivendo e dividindo uma casa e algumas vezes até quartos.

Leia também

Mas, vamos lá para minha experiência com Sameyr. Quando cheguei Sameyr já havia procurado uma casa para nos dois moramos e ele sair do hostel que ele estava vivendo a seis meses, para guardar dinheiro e estava aguardando eu chegar.

Alguns estilos de quartos que o Sameyr morou no Hostel durante seis meses, ele foi se mudando conforme o tempo ia passando e a necessidade dele ia mudando, ele morou em outros quartos no mesmo Hostel, porém todos tinham o mesmo estilo

O que é o Hostel?

A primeira coisa então que devemos falar é o que é um Hostel. É um tipo de habitação, que por muitas vezes viajantes escolhem ela por ser mais barata e de fácil enquadramento com suas necessidades, é um local onde tem gente entrando e saindo o tempo todo, de vários lugares do mundo, com diferentes línguas, culturas e costumes. E Sameyr morou desta forma durante seis meses, dormindo em beliche e com gente nova na casa e no quarto o tempo todo, (sim, ele fez isso para aguardar minha chegada e poder economizar, para quando eu chegasse as coisas fossem melhores para mim e para nós, ele foi bem paciente e determinado, pois ficar tanto tempo assim em um hostel não é fácil. Obrigada por todo seu esforço, sempre serei grata por isso).

Essa é uma das casas que o Sameyr viveu nos seis meses que ele ficou no Hostel, este tinha o aspecto de casa e era literalmente uma casinha, mas ele ficou em alguns bem diferentes, uns maiores e outros menores, mas na maioria a características são bem parecidas interna e externamente.

Se escolher viver em hostel seja por um período curto ou longo, tenha certeza de três coisas.

Primeiro, você não terá privacidade se escolher por quarto compartilhados (existe a opção de pegar um quarto privado em alguns hostel, porém é bem mais caro, normalmente famílias que estejam viajando optam por essa escolha, pessoas que querem salvar dinheiro, estão de passagem rápida e que não querem ter preocupação com problemas sobre casas escolhem dividir) sempre terá alguém em algum lugar e no seu quarto sempre estará entrando e saindo pessoas.

Segundo, pelo fato de você estar dividindo um ambiente com outras pessoas, provavelmente irá aprender algo sobre outra cultura (Sameyr, por exemplo, fez bons amigos no tempo que morou no hostel, ele aprendeu coisas de muitos lugares, na sua primeira vez na Nova Zelândia ele morou em hostel também e em outros tipos de residências).

E terceiro você vai treinar seu inglês muito neste tipo de residência, salvar dinheiro, mas também pode ter alguns problemas de estresses e convívio com outras pessoas, afinal são pessoas diferentes de todos os lados e que você nunca viu antes, então se lembre de avaliar o tempo que vai ficar para não transformar sua experiência em algo que não seja tão legal para você.

 

Essa é a vista que ele tinha do quarto da casinha que mostramos a cima, mesmo morando em um Hostel, se está for sua escolha, a vista ainda sim será linda aqui em Queenstown

Nossa primeira casa…

Quando cheguei Sameyr, já havia escolhido uma casa onde iriamos morar com mais duas pessoas apenas na casa, dois brasileiros amigos dele, por sorte era uma casa no centro de Queenstown e o casal que estava se mudando do quarto que iriamos alugar deu certinho com a data que eu iria chegar aqui, para nós foi bem legal a experiência, tínhamos nosso próprio quarto, nossa privacidade, dividíamos com eles o banheiro, cozinha, sala, lavanderia, garagem e jardim.

Essa era a vista externa da nossa primeira casa aqui em Queenstown, ela era muito lindinha e aconchegante

Nosso quarto permitiu que a gente tivesse mais comodidade, como somos um casal, encontrar quarto deste seguimento é mais fácil, temos mais privacidade e por muitas vezes se torna mais barato, já que o valor é dividido por dois e não é necessariamente o valor de dois quartos de solteiro, isso torna mais acessível os custos e confortável à estadia. Por exemplo, nessa casa pagávamos $ 349,50 dólares neozelandeses por semana, esse valor era dividido por dois e tinha as contas semanais que eram uma média de $ 15,00 a 20,00 dólares divididos por dois também (energia e internet, nos não pagávamos água).

Nessa casa ficamos por uns quatro meses, depois nos mudamos para outra, o dono da casa pediu ela, pois queria transformar em airbnb, que é uma casa alugada para uma curta temporada, seja por um dia ou uma semana. Então tivéssemos que arrumar uma casa bem rápido, pois ele pediu a casa e já deu uma data máxima para sairmos. Como éramos quatro pessoas, o nome de todos estava no contrato, o que fez com que todos tivessem que sair juntos da casa para não prejudicar ninguém.

Nós procuramos uma casa para sair antes da data estipulada pelo dono, para poder sair antes da temporada de inverno, pois a procura por casas é maior, já que veem muitas pessoas veem para Queenstown que é uma cidade turística curtir a temporada de inverno, então para não termos problemas saímos antes.

Esse foi o nosso primeiro quarto que moramos juntos aqui em Queenstown e ele não era suíte.

Oh, não! Casa nova pela segunda vez…

Achamos uma casa nova e era no centro de Queenstown também, porém está casa era em um condomínio e tornou isso um pouco mais caro, mas era uma casa espetacular, com uma vista de tirar o fôlego, mostramos um pouquinho dela várias vezes no nosso instagram o @tevejelafora onde contamos nossa experiência de viver fora do Brasil, na Nova Zelândia em Queenstown. Então se não segui a gente, convido a nos seguir, sempre mostramos curiosidades, informações e tiramos dúvidas de quem quer saber como é viver fora.

Esse é o nosso segundo quarto e Queenstown, ele já era suíte.

Nessa casa tínhamos toda a dinâmica da anterior, porém nessa tínhamos uma garagem coberta com duas vagas de carro e em vez de dividir o banheiro, eram dois quartos suítes, então cada quarto tinha seu banheiro individual, o que nos trouxe ainda mais privacidade. O restante era exatamente igual, as obrigações e deveres.

Essa é uma vista da área comum da nossa segunda casa, dá cozinha e da sala.

Pagávamos $ 425,00 dólares por quarto dividido por dois mais as contas mensais que dava uma média de $ 150,00 a 200,00 dólares divididos por nos dois (energia, gás, internet, água quente), sim era um custo mais caro, mas como sempre falamos no nosso instagram @tevejolafora todos nos temos escolhas individuais e pessoais, preferências por algo, alguns querem mais conforto, outros querem sair mais durante a noite, outros viajarem, entre tantas outras escolhas, a nossa é permanecer no centro de Queenstown, já que nós trabalhamos no town.

Essa é à vista das áreas comuns da nossa segunda casa, cozinha, lavanderia e hall de entrada.

O Sameyr como é Chef no The Cow Restaurant e os horários dele são sem regras, morar perto trás um conforto de não ter que gastar com combustível, ou dinheiro e tempo com o transporte público. Outras pessoas têm outras prioridades e está tudo bem, estas são as nossas. O certo é fazer aquilo que for melhor para você e te deixar feliz e confortável com sua escolha, você irá achar certamente seu ponto de equilíbrio quanto a isso.

O caos no mundo… E por consequência, mais uma casa!

Parecia tudo estar indo bem e tranquilo, até que o mundo virá de cabeça para baixo e tivemos que fazer algumas escolhas e dentre elas mudar de casa. Sim, mudamos mais uma vez, no tempo que eu Natália estou aqui, já troquei mais de casas que na minha vida inteira no Brasil (risos). Então, venha com coração desprendido, pois você morando aqui em Queenstown, ou onde for, será habitual mudar de casa e é extremamente comum, todos fazem isso, pois suas prioridades vão mudando e suas necessidades também. A nossa foi guardar dinheiro, já que não sabíamos o que iria acontecer e ainda não sabemos (na verdade ninguém no mundo ainda sabe).

O mundo atualmente está passando por diferentes tipos de problemas que vão além do COVIDE-19, só não podemos perder nossas esperanças e muito menos deixar nossos sonhos acabarem, não se esqueça de que a vida é feita de fases, hora ruins, hora boas e infelizmente hoje o mundo inteiro está em uma fase péssima, porém na história o mundo já passou por grandes desastres, infelizmente, então não percam a fé, pois ao final da luta todos sairemos bem se permanecermos juntos.

Nossa casa atual, dividimos com mais nove pessoas e na casa tem dez quartos, sim parece uma mudança drástica e foi (risos). Agimos rápido, porém com consciência, essa casa é nova, ainda temos uma suíte, ou seja, nosso próprio banheiro, é uma casa recém-construída ela tem menos de um ano, ela é novinha e ainda estamos no centro de Queenstown, todas nossas casas eram a menos de dez minutos do centro, o que é ótimo. Deixamos de ter uma garagem coberta e ganhamos mais colegas de quarto e uma nova experiência. Hoje pagamos $ 300,00 dólares com as contas já estão inclusas divididos por dois, energia e internet (fora da situação do COVID-19 custa $ 350,00).

As regras são as mesmas, os deveres e obrigações também, isso não vai mudar seja lá onde formos. Nessa casa nova temos pessoas de mais nacionalidades, temos kiwis, americana, coreana, brasileiro e diferente das outras duas casas que moramos sempre nós quatro brasileiros, agora temos outras pessoas, mais costumes e outras culturas.

Esse é o nosso terceiro quarto, ele é com suíte, ele é bem menor que o segundo, porém maior que o primeiro quarto

Para o Sameyr é uma experiência que ele já havia passado morar com outras pessoas e de diferentes nacionalidades, já para mim é novo, às vezes é bem legal e às vezes não. E para qualquer um que você perguntar será o mesmo, pois somos seres humanos e tem dias que não gostamos de ter tantas pessoas por perto, outros dias sim, porém as pessoas com quem moramos aqui e nas nossas outras casas, sempre foram boas pessoas, tranquilas e respeitosas, não tivemos problemas com questões mais serias, às vezes uma desavença ou outra, mas tudo que era de possível solução.

Provavelmente está não será nossa última casa e muito menos nossa última aventura, nos já conversamos sobre mudar de casa, não pela quantidade de pessoas ou qualquer outra coisa, pois isso não é um problema realmente, como disse as pessoas são bem tranquilas, mas sim porque temos muitos planos para nossas vidas e prioridades, então com certeza trocaremos de casa mais algumas vezes (risos). Ah, se tiver curiosidade de saber como é esta aventura maluca, siga a gente no @tevejolafora que contamos sempre o que andamos aprontando por aqui em Queenstown.

Esse é a vista do nosso quarto olhando do banheiro e nosso banheiro

Mas e a final, qual é a dinâmica de uma casa compartilhada?

A dinâmica de uma casa compartilhada funciona assim, seu quarto é seu, se for de solteiro será só suas coisas no quarto, se for um quarto dividido será as suas coisas e a da outra pessoa com quem você for dividir. Já o restante da casa, tudo, literalmente tudo é dividido, os utensílios, o tempo de uso, a responsabilidade de limpeza, de pagar se quebrar algo (claro, a menos que seja somente uma pessoa que quebrou, mas se for por desgaste de uso é de todos), as regras que podem são acertadas quando você fecha o acordo do quarto. Geladeira e armário são divididos por espaços, cada um tem um pedacinho, os matérias de manutenção e limpeza, pode ser de responsabilidade individual, ou de todos, ai é um valor cobrado a mais ou mesmo escalado para todos comprarem conforme for acabando, vai depender do tipo de acordo de cada casa.

As regras de convívio são muito importantes, sobre horários, espaço, direitos, deveres, isso tem que ser bem claro para evitar futuros problemas e estresse. Lembre- se sempre que a principal característica de uma casa compartilhada é respeitar o outro, seu espaço, sua cultura e logicamente deixar claro para todos o que é de comum e responsabilidade comum também, assim se evita qualquer situação desconfortável que possa ocorrer.

.

Basicamente é assim que funciona o esquema de casas e se precisarem achar como encontrar uma casa nova, um quarto de qualquer tipo, você estando na Nova Zelândia ou não, é possível encontrar em sites que oferecem está busca por casas quartos e é bem comum usar o Facebook também, onde pessoas diariamente colocam suas casas e seus quartos para alugar em grupos destinados para este tipo de oferta. Então não tenha medo, pois é possível encontrar algo que será mais bem adequado a você. E o principal, se for morar fora, se aventurar por ai, esteja disposto a de arriscar, experimentar, mudar sem medo, pois toda essa dinâmica faz parte da aventura e pode ter certeza que é uma aventura que vale a pena.

Foto (Aqui na Nova Zelândia a dinâmica das casas compartilhadas são basicamente essas, seja aqui em Queenstown ou em outra cidade, então fiquem de olho nas suas possibilidades, escolhas e tipos de casas que poderão encontrar, para ficarem bem com suas escolhas).

 

Aguardem temos muitas outras aventuras e curiosidades para contar para vocês.

E aguardem, esta não será a última história, vem mais coisas por aí, sobre como foi nosso intercâmbio, como achamos emprego e muito mais sobre nossa aventura aqui em Queenstown na Nova Zelândia.

Até lá, podem ler os outros artigos que já compartilhamos tantas outras coisas e o nosso instagram o @tevejolafora que contamos tudo sobre o que achamos de morar aqui em Queenstown.

E aí, te vejo lá fora? Estamos tão ansiosos para que sim e tão breve quanto possível, fiquem com Deus.

Quem sou

Prazer meu nome é Natália Gomes, sou brasileira de Carapicuíba, São
Paulo capital. Sou Arquiteta Urbanista e Designer de Interiores.
Sou uma sonhadora que gosta de se aventurar pelo mundo a fora. Proprietária em conjunto com Sameyr Assaf, meu namorado, do Projeto Te vejo lá fora, no Instagram @tevejolafora e Facebook @tevejolafora. Convido você a nos acompanhar pelo mundo a fora.
E aí, @tevejolafora ?

Mostrar mais

Artigos relacionados

7 Comentários

  1. Quanta aventura, meu Deus. Mas é muito bom saber suas experiências…o importante é q está valendo a pena tudo isso…felicidades

    1. Oie tia Marisa!!! Tudo bem? Obrigada por sua leitura e seu tempo. GRATIDÃO. É bom saber que gosta das nossas aventuras. Ficamos felizes em saber que de alguma forma podemos dividir nossas aventuras que vivemos por aqui deste lado do mundo, para vocês aí no Brasil.
      Obrigada pelo carinho conosco, fique com Deus. Felicidades e sucesso!
      Atenciosamente,
      Natália Gomes

  2. Olá Camila, tudo bem? Que legal saber que estamos te ajudando de alguma forma. Muito obrigada por compartilhar conosco sua história e com certeza nos vemos por aqui em 2022, será tão breve quanto possível. Gratidão por sua leitura, carinho e feedback. Fique com Deus. Até breve. Atenciosamente, Natália Gomes

  3. Com ctz é uma experiência e tanto a convivência com pessoas de outros países. Como você é uma pessoa flexível, deve se dar bem com todos rsrs.

    Ótima matéria Nat.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo