Comunidade BrasileiraEducação e IntercâmbioNova Zelândia

HIPPY Um programa de educação infantil gratuita

Entrevista com Amanda Colares, coordenadora do programa

A educação é algo relevante quando pensamos na criação de nossos filhos, sabemos o quanto a ela influencia no processo do desenvolvimento humano.

A educação se reflete em sua capacidade de se relacionar, interpretar informações, lidar com suas próprias emoções, tomar decisões com senso crítico e, até mesmo, obter satisfação pessoal e profissional.

Hoje entrevistamos a Amanda Colares, coordenadora do programa HIPPY. Que nos fala sobre os benefícios deste programa para as crianças imigrantes e sobre a área da educação na Nova Zelândia.

Amanda, conte nos um pouco de você, onde nasceu no Brasil.

“Meu nome é Amanda Colares, nasci em Fortaleza –CE. Venho de uma família de classe média baixa e tive uma infância simples.

O que nunca me faltou foi uma boa educação, meus pais se esforçaram muito para oferecer às suas quatro filhas uma educação de qualidade. Em 2013 me casei com um gaúcho e me mudei para o Rio Grande do Sul, onde morei por três anos antes de me mudar para a Nova Zelândia.”

O que te levou sair do Brasil e vir para a Nova Zelândia?

“Já tínhamos a ideia de um dia sair do Brasil, quando decidimos ficamos na dúvida entre Canadá e Nova Zelândia. Escolhemos a Nova Zelândia por vários motivos, mas o principal deles foi sem dúvida a facilidade que meu marido poderia ter em encontrar uma boa posição na área de TI.”

Há quanto tempo está aqui? O que você aprecia em sua vida neste país?

“Cheguei na Nova Zelândia há exatamente 5 anos. Acho que, como todo brasileiro que sai do Brasil, a principal razão de eu amar este país é a possibilidade de criar meu filho em um lugar seguro. Também não posso deixar de falar das possibilidades de crescimento profissional que este país oferece.”

Amanda e sua família. Foto: arquivo pessoal.

Qual era sua profissão no Brasil e qual sua profissão hoje aqui na Nova Zelândia?

Foto: arquivo pessoal.

Graduei-me em Bacharelado em Educação/ Pedagogia (Educação infantil e Ensino Fundamental) em 2010 e pós-graduação em Gestão Educacional em 2012, ambos avaliados e reconhecidos pelo NZQA nível 8.

Na Universidade, fiz parte do departamento de pesquisa em Matemática e Ciências. Também lecionei na Educação de Jovens e Adultos da Fundação Bradesco enquanto concluí minha graduação.”

“Em 2010, tornei-me professora qualificada e comecei a lecionar em uma escola pública em Fortaleza, Brasil. Isso também me trouxe experiência no apoio a crianças vulneráveis. Concomitante a isso, fui convidado pela Universidade Federal do Ceará para lecionar Educação Ambiental.

Última experiência antes de sair do Brasil

Finalmente, em 2014, meu último trabalho no Brasil foi na Escola Marista como professora do ensino fundamental. Em setembro de 2017, trabalhei como professora de pré-escola e fui responsável for desenhar e implementar o programa de transição para a escola.

Foto: arquivo pessoal.

Isso me deu a possibilidade de assumir a posição de coordenadora do HIPPY Programa em Beach Haven Primary School. Recentemente, entrei para a equipe ATWC ( Anglican Trust for Women and Children) como coordenador do Programa HIPPY responsável pela região de Mt. Wellington em Auckland.

Como coordenadora sou responsável por todos os aspectos do programa: implementação, gestão, administração e marketing –  apoiando 50 famílias e 3 tutores.”

Nos conte sobre o programa HIPPY. Como funciona?

HIPPY é um programa educacional gratuito, financiado pelo Ministério da Educação da Nova Zelândia, que ajuda as crianças a fazerem a transição para a escola com confiança.

O HIPPY capacita as famílias a criar um ambiente de aprendizagem doméstico positivo. Os pais recebem a visita do HIPPY tutor em sua casa e o tutor dá aos pais informações sobre o que seu filho aprenderá em cada atividade.

“(…) uma excelente opção pra crianças que estão em processo de adaptação na Nova Zelândia (Inglês como segunda língua) ou simplesmente preparar a criançada pra escola.

As crianças começam a HIPPY quando estão entre o terceiro e o quarto aniversário.

O Programa HIPPY atende famílias de diversos grupos étnicos e geográficos ao redor do mundo (14 países), especialmente aqueles em maior risco por causa da pobreza, educação limitada dos pais e isolamento social.

Na Nova Zelândia o HIPPY está presente em 40 localidades (Ilha Norte e Sul).

O currículo de 60 semanas, trabalhado ao longo de dois anos, é composto de apostilas com atividades que desenvolvem as habilidades cognitivas e não cognitivas essenciais para que as crianças se tornem alunos competentes.

Oferecemos suporte domiciliar semanal, livro infantil e apostilas com atividades que estão vinculadas ao Te Whariki, o currículo da primeira infância, e ao Currículo da Nova Zelândia, permitindo que as crianças façam um histórico para a escola com sucesso.”

Foto: arquivo pessoal.
Minha experiência

“Minha primeira experiência como coordenadora do HIPPY foi na Beach Haven Primary School, onde fui responsável pela região de North Shore. Hoje trabalho no Anglican Trust for Women and Children (ATWC) e sou responsável pela área de Mount Wellington.

“Tenho muito orgulho de fazer parte e estar à frente como coordenadora de um programa tão grande e internacionalmente conhecido.”

Nesses 5 anos tive muita sorte de conhecer tantas pessoas que acreditaram no meu potencial. A área de Educação na Nova Zelândia é muito rígida e exige muito de quem aqui trabalha, mas me sinto muito honrada em poder ajudar famílias e crianças em idade pré-escolar a terem melhores resultados na escola.”

E seus hobbies, no que você ama passar o tempo?

“A maior parte do meu tempo é com minha família. Nos adoramos viajar e estar entre amigos.”


Para maiores informações:

Anglican Trust for Women and Children (ATWC)
10 Beatty Street, Otahuhu, Auckland, 1062,
New Zealand

Geatpotentials.org.nz
Atwc.org.nz
Facebook: HIPPY Sylvia Park

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo